• Ana Margonato

O Jorge não é bonito, mas é lindo...

Gosto de ouvir uns causos, mas até agora não me aventurei muito em ser eu a narradora. Semana do dia dos namorados passou e fiquei me recordando como foi que minha história com meu companheiro surgiu e percebi que esse era um bom causo pra se contar, então lá vai..


Posso afirmar que vivi bem intensamente minha "juventude", fui bem baladeira, daquelas que saí de quinta a domingo e ainda está viva na segunda , tenho tantas histórias dessa minha fase que qualquer hora conto umas aqui (algumas no mínimo, peculiares), mas hoje vou contar quando eu cansei dessa fase aí e saí em busca de novos ares.


Nunca havia saído oficialmente com ninguém, aquele negócio de jantar romântico e tals sabe? Então, eu não sabia, conhecia as pessoas aleatoriamente, geralmente em alguma festa e acabava não fluindo muito depois e a superficialidade dessas relações começou a me incomodar. Num português bem claro, queria namorar!


Nisso, conheci um carinha na internet, pelo Orkut (sou da época que era Orkut e messenger, não me julguem) e aí papo vai, papo vem e ele me dizendo que queria me conhecer pessoalmente. Eu, que nunca na vida havia me encontrado com alguém que não conhecia direito (nem ao vivo), fiquei meio ressabiada e fui enrolando o moço...


Mas ai não tinha jeito, era um negócio tipo vai ou não vai. Aí, uma amiga minha teve a ideia de pedir pra ele arrumar um amigo pra formarmos dois casais (seria mais seguro e sei lá, parecia uma boa), propus pra ele e falei "olha, minha amiga é inteligente, super engraçada piriri pororó, veja se arruma um amigo bonito aí vai". Ele me responde: "não tenho amigo bonito não, mas um que é lindo, serve?


A gente que tava meio entediada naquele fatídico sábado, não viu melhor solução do que dizer: claro, partiu jantar romântico. Jantar rolando, muita risada (o menino era engraçado, lembro disso) mas não tava rolando muito romance pra mim não... Sabe quando adora conversar com a pessoa, mas quando conhece pessoalmente o coração não dispara nem dá aquele gelo na barriga que o povo diz serem borboletas voando? Pois bem, continuei rindo das piadas e fomos para o pós jantar pra ver se rolava um clima.


Carro parado na frente de casa, chega aquele momento curtiu não curtiu, aí eu, que não estava afim de beijar o moço falei pra ele, "olha está na frente da garagem, coloca o carro mais pra frente pra não reclamarem". Dito isso, ele seguiu a recomendação, foi com o carro metros a frente, a gente naquele clima meio dou tchau beijinho no rosto, não dou, ai senhora do céu o que eu faço até que, de repente, ouvimos uma explosão bem alta logo atrás da gente, daquelas que você dá um pulo de susto.


Naquele lugar, exatamente no lugar que a gente estava a minutos atrás, explodiu ou sei lá como chamaria isso, fios do poste elétrico e pegou fogo no negócio todo. Todos brancos igual farinha de trigo, esquecemos rapidamente os protocolos de primeiro encontro, nos despedimos e cada um pra sua casa.


Passado o susto, fiquei refletindo a semana toda sobre o evento e concluí que era um sinal do universo para que eu focasse em outro encontro, com outra pessoa (achei melhor essa explicação do que simplesmente não estou interessada no moço, mais pomposa ela, eu diria). Nisso, milagrosamente (ou não), recebi a ligação de um rapaz que conheci, sem querer conhecer (outro causo esse) enquanto tomava milkshake com uma amiga e achei que talvez fosse bom aceitar esse convite.


Pois bem, saí com o rapaz, jantamos, insisti em pagar metade da conta, ele não reclamou (curti essa atitude e tempos depois descobri que ele mais ainda, porque na realidade nem tinha o dinheiro pra pagar tudo mesmo). Rolou aquela aceleradinha no coração, as tals das borboletas, e o resto é história...


O outro carinha (não me julguem que eu não consegui lembrar o nome dele, tentei, mas o HD disse que está em algum lugar da nuvem), acabou virando amigo das risadas por um tempo e depois seguiu a vida. O amigo dele, o Jorge, acabou virando namorado da minha amiga tempos depois e acabaram namorando por alguns anos.


Nisso, descobri o grande mistério do dia do encontro, que o carinha lá falou que não tinha um amigo bonito, mas lindo (na hora confesso que achei bem prepotência mas não quis falar nada porque não queria estragar o esquema né), mas acabei descobrindo que a piadinha era pelo fato de que o Jorge simplesmente se chama Jorge Lindo!!!


Durmam com essa gente, o Jorge é lindo e a vida, também (além de engraçada em muitos momentos né não?).


PS: Foto de quando a gente ainda tirava férias relaxante em paraísos exuberantes (sabe de nada inocente..rsrs)


24 visualizações1 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Medo